BNDES propõe articular novo modelo de negócios no escoamento de gás

O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) formulou uma nova modelagem de negócio para desenvolver o setor de gás natural no país. O banco realizou 1 trabalho que inclui análises e cenários da infraestrutura do setor, como escoamento, transporte, distribuição, consumidores na indústria, na termogeração e no transporte por veículos pesados. Eis a íntegra do relatório (18,3 MB).

“É muito relevante que o BNDES esteja disposto a criar condições para desenvolver o segmento de escoamento, atrair mais investimentos e atuar até como financiador”, disse Luiz Costamilan, secretário-executivo de Gás Natural do IBP (Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis).

O foco é buscar 1 mercado mais competitivo e atrair investimentos privados. De acordo com o estudo do banco, as operadoras de óleo e gás conectariam seus campos produtores a 1 hub logístico em alto mar, o que facilita sua distribuição.

A iniciativa em desenvolver o setor de escoamento de gás natural converge com o choque de energia barata proposto pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, logo no início do governo.

“Vamos fornecer energia barata para a reindustrialização do país, o transporte urbano barato baseado em 1 combustível mais limpo, o botijão de gás para as famílias mais pobres para prepararem suas refeições. É nesse contexto que fomos para o choque da energia barata. Os primeiros movimentos aconteceram 1 ano atrás. O BNDES é a peça-chave para isso”, falou o ministro da Economia nesta 6ª feira (29.mai), em webinar promovido pelo banco.

O setor de óleo, gás e biocombustíveis representou cerca de 15% do PIB industrial em 2019.

O escoamento dessa produção de gás seria feito por 1 gasoduto de larga escala até uma unidade de processamento de gás natural (UPGN) no continente ou em águas rasas.

De acordo com o IBP, o Brasil tem apenas 9.400 quilômetros de gasodutos. Enquanto isso, os Estados Unidos têm 497.000 quilômetros e a Europa conta com 200.000 quilômetros de gasodutos.

De acordo com a EPE (Empresa de Pesquisa Energética), seriam necessários R$ 17 bilhões em investimentos para ampliar a rede de gasodutos no Brasil.

PETROBRAS

A empresa iniciou nesta semana procedimentos para dar maior acesso aos demais produtores de gás natural no Brasil. A companhia passará a atuar como processadora de gás fornecido por outros agentes. Segue a íntegra do comunicado (37 KB).

“O preço do gás natural caiu em média 35% neste ano; e algumas medidas como a venda de ativos da Petrobras, gasodutos e agora a abertura para que outras empresas possam usar as plantas de tratamento de gás da Petrobras indicam que esse processo está avançando”, disse o ex-diretor da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) Décio Oddone.

PRÉ-SAL

Segundo o estudo do BNDES, 40% da oferta das reservas de gás no pré-sal é reinjetada, ultrapassando 40 milhões de m³/dia, e deve atingir 60 milhões m³/dia em 2023, com a entrada de novos campos em produção.

Cerca de 60% desse volume –quantidade equivalente à do Gasoduto Brasil Brasil-Bolívia– poderiam ser disponibilizados ao mercado se houvesse infraestrutura de escoamento.

No mesmo evento online desta 6ª feira (29.mai), o secretário adjunto do Ministério de Minas, Bruno Eustáquio de Carvalho, ressaltou o trabalho da pasta em buscar novos arranjos ao mercado de gás natural.

“O Conselho Nacional de Política Energética tomou decisões importantes sobre a abertura do mercado de gás e se tornou a espinha dorsal para esse desenvolvimento”, disse.

Eustáquio se referiu à Resolução nº16, publicada em 2019 que dispõe sobre a segurança no abastecimento nacional, ampliação da concorrência sem constituir monopólios regionais e mitigar condições que favoreciam diferentes preços nas regiões do país. Eis a íntegra da resolução (150 KB).

Em julho de 2019, a União lançou o programa Novo Mercado de Gáscom o objetivo de aumentar a concorrência, estimular a integração do gás natural e equacionar as regulações estaduais e federal no setor e reduzir pela metade o preço do gás natural no Brasil. Até agora as expectativas não se confirmaram.

Para a Abegás (Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado), o principal objetivo do Novo Mercado de Gás deve ser o de criar condições para que o gás natural possa ser mais competitivo. E isso só vai começar a acontecer quando houver de fato concorrência na oferta e mais agentes comercializando esse gás. Eis a íntegra do posicionamento (131 KB).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s