Associação de empregados do BNDES critica planos do governo de acabar com BNDESPar

Secretário Salim Mattar disse que há intenção de encerrar a unidade de participações do banco

intenção do governo federal de acabar com a BNDESPar, unidade de participações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), vai na contramão das práticas de instituições de desenvolvimento multilaterais no mundo e ameaça o fomento ao mercado de renda variável no país, segundo a AFBNDES, associação dos empregados do banco.

A manifestação vem após o secretário de Desestatização e Desinvestimento do Ministério da Economia, Salim Mattar, ter dito no começo da semana que o governo Jair Bolsonaro quer fechar a BNDESPar após vender todas as fatias que detém em companhias. Mattar afirmou que tais participações valem 110 bilhões de reais.

Salim Mattar, secretário de Desestatização e Desinvestimento do Ministério da Economia
Salim Mattar, secretário de Desestatização e Desinvestimento do Ministério da Economia – Amanda Perobelli/Reuters

“Quando declara que não há razão para o governo ter carteira de ações de empresas, o secretário não polemiza apenas com 40 anos de atuação da BNDESPar, também confronta a estratégia das principais instituições de desenvolvimento multilaterais, como o Banco de Desenvolvimento da Ásia, o Banco Interamericano de Desenvolvimento, o Banco Mundial (…)”, afirmou a AFBNDES em nota à Reuters.

A associação também argumentou que o plano ameaça o fomento ao mercado de renda variável, que, na visão da entidade, enfrenta a rentabilidade superior dos títulos de renda fixa, “anomalia causada por décadas de taxas de juros altíssimas”.

Para a entidade, por meio da BNDESPar o BNDES apoia empresas em setores de alta produtividade e de alta tecnologia, incluindo setores de energia renovável e saúde, incluindo as fases pré-operacionais de empreendimentos, etapas que não costumam contar com grande interesse de outros investidores.

Hoje, a BNDESPar é a maior investidora nacional em fundos de capital semente e ventures capital, disse a associação, alegando que isso contribui para que as empresas precisem no futuro menos do banco nas captações de longo prazo.

A associação afirmou que de 2001 a 2016 a BNDESPar respondeu por cerca de 30% da lucratividade do sistema BNDES, e teve valorização de 413%. Já o Ibovespa, principal índice de ações do país, subiu 294,7%. O CDI, referência da rentabilidade da renda fixa, saltou 675,8%.

De acordo com a última demonstração financeira disponível da BNDESPar, sua carteira em setembro de 2018 compreendia títulos de 124 empresas, incluindo ações em 94, e de 42 fundos, “com valores concentrados principalmente nos setores de petróleo e gás, mineração, papel e celulose, energia elétrica, alimentos e bebidas e bens de capital”.

Dentre as empresas nas quais a BNDESPar tem grandes investimentos, estão Petrobras, Vale, Suzano, Eletrobras, AES Tietê, Klabin, Embraer, JBS, Copel e Fibria.

Questionado via assessoria de imprensa sobre os pontos levantados pela Reuters, Mattar não respondeu de imediato.

REUTERS
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s