Cresce a adoção do modelo de Venture Builder no Brasil

As “Venture Builders” são organizações que constroem startups usando recursos próprios, ‘rompendo’ os modelos correntes de investimento de capital de risco (Angel / VC), aceleradoras e incubadoras. São também conhecidas como “Fábricas de Startups”, em um modelo que compartilha recursos, como infraestrutura, marketing, jurídico, contábil etc., com o objetivo de racionalizar e otimizar o processo de inovação das startups reduzindo os custos e por consequência os riscos.

Em sua essência são uma holding que tem participação acionária nas diversas entidades empresariais que ajudou a criar. As iniciativas de maiores sucessos são mais operacionais e mão na massa do que holdings, participando de todo o ciclo de desenvolvimento da startup, inclusive de levantamento de capital, recursos humanos, design de modelos de negócios, equipes jurídicas, construção de MVPs (produtos mínimos viáveis), e executam campanhas de marketing muito eficazes durante as fases de pré e pós-lançamento de seus empreendimentos.

O termo Venture Builder foi citado pela primeira vez pelo investidor anjo Nova Spivack em 2011, no momento em que a maioria dos elementos que o compõem ainda estava em gestação. O Nova Spivack inventou o termo Venture Production Studio, chamando-o de “nova abordagem para a criação de startups“. Essa nova abordagem certamente valeu a pena, já que seu estúdio de produção de empreendimentos desfrutou de várias saídas três anos depois.

Em 2013 surgiu a primeira Venture Builder brasileira, a FCJ Participações S.A., com o objetivo de ser uma alternativa aos investidores anjos que podem investir de forma coletiva em uma Holding com portfólio gerenciado de startups, mantendo a característica de ser também uma startup com modelo replicável e escalável.

Diferente de outros modelos de Venture Builders A FCJ ao invés de criar as suas próprias startups, seleciona de forma continuada startups para se tornar co-founder assumindo as áreas de retaguarda como: Marketing, contabilidade, jurídico, administrativo, financeiro e infraestrutura, possibilitando que os empreendedores foquem todo o seu esforço na inovação.

Em 2013 e 2014 foi realizada a captação com investidores anjos no valor de 470 mil reais, para validação do modelo proposto, após 4 anos de operação se transformaram em um portfólio de 20 startups, com mais de R$ 5 milhões em equity, em seu portfólio consta startups como: Psicologia Viva – SporTi – The MindSet –  UniRádio – Anatomy GPS

No segundo semestre de 2018 a FCJ Participações lança o seu modelo de licenciamento de Venture Builder, com a meta de licenciar 6 novas companhias, e para o biênio 2018 e 2019 a meta é crescer o seu portfólio em 500% atingindo 100 startups, com o total em equity de R$ 25 milhões.

Já estão em processo avançado de negociação para o segundo semestre de 2018 o lançamento da FCJ São Paulo, FCJ Triângulo e nas verticais Retail, Fintech, Indústria e Construtech, o modelo visa a criação de novas holdings com investidores locais ou focado no segmento, otimizado o chamado smart money, aproximando os investidores anjos das startups da Venture Builder que se tornou investidor.

Marcelo Guerra, executivo que está à frente da FCJ São Paulo comenta que “há muitos executivos que querem investir em inovação e startups, porém devido à falta de tempo para selecionar e acompanhar a mesma, acabam por não realizar o investimento. Neste cenário, a proposta de investimento em conjunto com outros investidores em um portfólio gerenciado faz todo o sentido.”.

Segundo o CEO e Fundador da FCJ Participações, Paulo Justino, o modelo de licenciamento criado tem como objetivo ser uma alternativa segura e validada de investimento em startups, pois reuni alguns pontos chaves: investimento em grupo, portfólio gerenciado, modelo de governança de uma Holding S.A., criação de um ecossistema para a troca de experiência entre os investidores e startups das várias Venture Builders.

Para maiores informações acesse:

How ‘venture builders’ are changing the startup model:

https://venturebeat.com/2015/01/18/how-venture-builders-are-changing-the-startup-model/

Venture Builders : uma nova forma de Construir e Desenvolver Startups

https://pt.linkedin.com/pulse/venture-builders-uma-nova-forma-de-construir-e-startups-nei-grando

O que é uma Venture Builder? O que muda no mercado com a entrada delas?

https://startupi.com.br/2015/05/como-as-venture-builders-estao-mudando-o-modelo-de-startups/

O modelo de venture building como mecanismo de inovação corporativa

https://medium.com/@BrunoLoreto/o-modelo-de-venture-building-como-mecanismo-de-inova%C3%A7%C3%A3o-corporativa-ff519dca56a

Website: https://www.fcjparticipacoes.com.br/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s