Negócio social realiza 54% dos exames feitos com médicos no SUS em SP

 

 

 

Dos 3,98 milhões de exames que exigem a presença de um médico especialista realizados ao longo de 2017 pelo SUS na cidade São Paulo, mais da metade (54%) foi feita em unidades móveis desenvolvidas pelo negócio social Cies (Centro de Integração Educação e Saúde).

A iniciativa resolve uma das principais lacunas no atendimento de saúde, que é a realização de diagnósticos por profissionais específicos, como ultrassonografia, endoscopia e eletrocardiograma. As carretas, como são chamadas as unidades, oferecem ainda consultas preventivas a pacientes do SUS.

“As carretas do Doutor Saúde são necessárias toda vez que há um desequilíbrio entre oferta e demanda. A estrutura é provisória, pode ir a diferentes regiões da cidade e ajustar as filas”, afirmou Wilson Pollara, secretário municipal da Saúde, durante a visita guiada realizada em uma das unidades, na zona sul da capital, no início de março.

A visita, que integrou a programação do evento “Inovação Social: Desafios e Novos Modelos” (confira abaixo vídeo sobre o debate), realizado pela Folha e pela Fundação Schwab, levou cerca de 60 pessoas de diferentes regiões do Brasil para conhecer a unidade e acompanhar um bate-papo sobre PPPs (Parcerias Público-Privadas).

A parceria que garante o atendimento foi firmada ainda na gestão de Fernando Haddad (PT). Em 2017, o contrato chegou a R$ 74 milhões, com os programas Hora Certa e Doutor Saúde, da gestão de João Doria (PSDB).

“Esses procedimentos já resolvem 75% da demanda, pois apenas em 25% dos casos há necessidade de encaminhamento para hospital de referência”, afirmou no evento Roberto Kikawa, fundador do negócio social e vencedor do Prêmio Empreendedor Social 2010. “Em breve, o Cies poderá resolver 100% da demanda que recebe, com a inauguração do novo Hospital de Especialidades.”

SUSTENTABILIDADE

Esse tipo de parceria com poder público é uma saída para o financiamento de negócios sociais e organizações do terceiro setor.

“Precisamos enxergar o governo como parceiro e ajudar o público a criar novas soluções”, afirmou Merula Steagall, presidente da Abrale (Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia), que participou do bate-papo, ao lado de integrantes da Rede Folha.

Com o barco-hospital que roda as comunidades da unidade de conservação do Tapajós, a ONG Saúde e Alegria, que também buscou parceria com o governo amazonense e o Ministério da Saúde, atua em várias frentes como saúde básica e semi-intensiva, educação e defesa territorial.

“Reduzimos o tempo de espera para atendimento. Agora, um paciente demora 1h40 para ser atendido, ter o resultado e ir para a farmácia. No sistema comum, levava semanas”, disse Eugênio Scannavino, criador do projeto. “Não temos que substituir o estado, mas sim colaborar para melhorar o estado.”

O Vivenda acaba de firmar sua primeira parceria, com a prefeitura de Campinas. Especialista em obras de baixo custo em periferias, o negócio social irá reformar 700 residências este ano na cidade.

“Fizemos um projeto piloto em 20 casas. Agora vamos oferecer subsídio e microcrédito para essas famílias melhorarem sua qualidade de vida”, disse Fernando Assad, fundador do negócio.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s