Comissão especial do Congresso aprova nova taxa de juros do BNDES

Plenário da comissão que aprovou a TLP (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)Plenário da comissão que aprovou a TLP (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

Plenário da comissão que aprovou a TLP (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

Chamada de TLP, nova taxa ainda deve passar por votação nos plenários da Câmara e do Senado. Se for aprovada, passa a valer em contratos do BNDES a partir de janeiro.

A medida provisória 777, que institui a nova taxa de juros do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), foi aprovada nesta quarta-feira (23) na comissão mista do Congresso. O texto agora precisa ser aprovado nos plenários da Câmara e do Senado.

A medida cria a chamada Taxa de Longo Prazo (TLP) para substituir a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) nos empréstimos do BNDES que utilizam recursos do Fundo de Participação PIS-Pasep, do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e do Fundo da Marinha Mercante (FMM).

Pela proposta, a TLP será utilizada como referência pelos contratos assinados pelo BNDES a partir de 1º de janeiro de 2018.

A comissão deveria ter votado o parecer sobre a TLP, na terça-feira (22), mas a sessão foi encerrada pelo presidente da comissão, Lindbergh Farias (PT-RJ), sem que houvesse debate sobre o assunto. A decisão de Lindebergh gerou tumulto e discussão entre os parlamentares

Como vai funcionar

A nova taxa será calculada a cada três meses com base na variação do NTN-B, um título público, somado à variação da inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

De acordo com a equipe econômica do governo, O objetivo da substituição da TJLP é fazer com que a nova taxa aproxime as condições de empréstimos do BNDES às praticadas pelo mercado.

Enquanto a TJLP está próxima a 7% ao ano, estima-se que a nova taxa, a TLP, ficaria, no prazo de cinco anos, entre 9% e 9,5%. Ou seja, mais alta, e próxima da taxa básica de juros (Selic), atualmente em 9,25%.

Com isso, o governo espera reduzir as despesas com subsídios derivados da diferença entre a taxa paga pelo Tesouro Nacional para captar recurso do mercado, que é mais alta, da taxa que o BNDES cobra nos empréstimos, que é mais baixa.

Para equacionar essa diferença, o Tesouro precisa emitir títulos públicos, o que eleva a dívida do governo federal.

Esses subsídios são chamados de implícitos, porque acabam não aparecendo no orçamento. Segundo cálculos do governo, nos últimos 10 anos, o montante desses subsídios somaram R$ 240 bilhões.

O setor produtivo critica a medida. Na visão de representantes da indústria, o projeto pode dificultar investimentos de empresas que tomam empréstimo junto ao BNDES.


Por G1, Brasília

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s